quarta-feira, 12 de outubro de 2011

INCENSOS DOS ORIXAS e defumaçãos



Na utilização do incenso através das influências dos Orixás, há que se observar as essências utilizadas, neste incenso, que interagem com o principal,o que faz mudar a regência do Orixá. Há exemplos que citarei onde existem a necessidade de várias ervas juntas e matérias primas como (carvão, cânfora e enxofre, etc..), para dar sentido à força energética do incenso, como também o horário a ser usado.

É ideal usar incenso natural de ervas, pois os incensos importados, por não terem a tradução, não sabemos qual a matéria prima empregada em sua confecção.

Abaixo, vou relacionar alguns incensos, talvez os mais conhecidos, para que possamos saber também sua relação com os Orixás do culto afro-brasileiro:

1 - Incenso de Sândalo
Orixá regente: Iansã e Oxum.
Serve como limpeza astral, o seu aroma traz paz;usar na parte da noite.

2 - Incenso de canela
Orixá regente: Ogum e pretos velhos.
Atrai grandes atividades em negócios e atrai freguesia para o comércio, pode ser usado a qualquer hora.

3 - Incenso de alecrim
Orixá regente: Oxossi, Oxalá.
Harmoniza suas energias vitais, devendo ser usado pela manhã.

4 - Incenso de Almíscar
Orixá regente: Ogum, Iansã
Serve tanto para energizar como ativador sensual, deve ser usado a noite ou ao entardecer.

5 - Incenso verbena
Orixá regente: Oxossi, Oxalá.
Atua na concentração, meditação e ajuda nos estudos. Deve-se usar na hora em que for estudar ou meditar.

6 - Incenso violeta
Orixá regente: Nanã, Omulu.
Atua no ambiente depressivo ou melancólico, mudando, tirando as negatividades.

7 - Incenso de Alfazema
Orixá regente: Orixalá.
Atua como transmissor astral, ligação - vida e o infinito.

8 - Incenso de rosas
Orixá regente: todos os Orixás femininos.
Atua como transmissor de bem estar limpeza.

9 - Incenso de Jasmim
Orixá regente: Ogum.
Atua como harmonizador do corpo e voltado para a parte profissional - ambiente de trabalho.
Defumações: descarregam o cam­po mediúnico e sutilizam suas vibra­ções, tornando-o receptivo às energias de ordem positiva. Ela é essencial para qualquer tra­ba­lho num terreiro, pois certas cargas se juntam (agregam) ao nosso corpo astral durante nossa vivência cotidiana, ou seja, pensamentos e ambientes de vi­bração pesada, rancores, preocupa­ções, pen­samentos negativos, etc, tu­do isso produz (ou atrai) certas formas-pensamento que se aderem ao nosso campo eletromag­nético, bloqueando trans­missões energéticas. Pois bem, a defumação tem o poder de desagregar estas cargas, através dos elementos ar, fogo e vegetal que a compõe, pois interpenetra o campo as­tral, mental e a aura, tornando-os no­va­mente “libertos” de tal peso para pro­duzirem  seu funcionamento normal.

FALANDO SOBRE DEFUMAÇÃO


por cristiani egidio 
Defumação é um processo ativo de exercício de mediunidade e por isso deve ser tratado com muito cuidado.
defumador e incenso
Todo local onde se vive, seja um templo, sua casa ou local de trabalho, pode e deve ser  defumado. A Casa onde se mora principalmente, ainda mais se se é uma pessoa que trabalha com a espiritualidade do santo, e que mantém em casa suas firmezas ou mesmo os seus instrumentos litúrgicos.
Todo mundo que tem “luz” própria ou que tem em si ou sua casa um local de concentração de energia, acaba sendo um atrativo para as inúmeras almas perdidas que existem vagando pela terra. Assim, ao defumarmos, nem sempre estamos tratando de  afastar demandas contra nós, mas também de manter o equilíbrio de nossa própria casa.
Qualquer pessoa com ou sem uma mediunidade ativa, pode perceber quando há uma alteração no ambiente e nesses casos deve se recorrer a uma defumação. No caso de terreiros e casas de santo, onde tudo isso é mais grave ainda, ou melhor mais intenso, o início de cada sessão de trabalho deve ser precedido de uma defumação.
Considero que defumar não é um processo formal ou ordinário e sim uma liturgia e quem defuma algum lugar sempre deve se preparar porque vai estar absorvendo também as energias negativas do lugar, como um para-raio, ou um “aspirador de pó”. 
Desta forma para executar essa liturgia é necessário alguma maturidade na magia, conhecimento e também procedimentos de preparação e auto-limpeza que para quem faz vai mais além do que o ato de defumar.
Em termos da maturidade na magia significa uma sintonia com os mestres e entidades que trabalham junto com ele. O conhecimento diz respeito ao método de fazer e elementos a serem utilizados tanto no defumador ou defumadores como também em procedimentos complementares.
Em termos de finalidade, o processo de defumação pode ser feita para retirar, ou seja regular o ambiente, pode ser feita apenas com o defumador doce. Uma outra um pouco mais convencional, com o defumador de limpeza (principalmente pelo terreno) e pelo doce. Fumar o cachimbo pela casa toda e depois jogar fumaça ao contrário pela porta a fora é também um excelente defumador regular.
Concentração é um elemento muito importante neste trabalho. Assim deve-se rezar antes de inicia-lo pedindo a proteção dos seus mestres, deve cantar durante e deve-se encerrar com uma reza ou cantiga de agradecimento ou fechamento. Enfim, a defumação é um processo litúrgico complexo e que é mais do que acender um “divino” num turibulo de alumínio.
Geralmente quando se encontra um ambiente carregado usa-se um ou mais defumadores de limpeza, que irão “queimar” ou esterilizar as energia ruins. Depois do ambiente ruim faz-se uma nova defumação com um outro defumador “doce” que irá preencher o ambiente com a energia que se quer deixar evitando assim um vazio que é a oportunidade para coisas indesejadas ou mesmo um ambiente estéril e que não traga conforto aos ocupantes do lugar. 
No caso de terreiros ou casas de trabalho é similar. É comum se defumar mais de uma vez ao longo do dia de maneira a garantir  a limpeza astral do lugar. No início de trabalhos com determinadas linhas, como a do povo cigano ou do oriente, pode-se passar  um defumador “doce” com a finalidade de atrair e facilitar as energias destas entidades. No catimbó o cachimbo é também um  instrumento de defumação e preparação do ambiente. Pode-se usar fumos com ervas de limpeza para limpar a seção, como  também pode-se colocar misturas “doces” para facilitar ou chamar a incorporação.
Os defumadores devem ter fórmulas adequadas a cada finalidade. Um pessoa experiente sabe fazer os seus e pode ter vários que são usados conforme o caso e, que combinam as ervas mais adequadas e as ervas que fazem parte do seu fundamento e de suas entidades, porque como eu disse a gente nunca faz isso sozinho.
Um exemplo de protocolo de limpeza para defumar uma casa carregada e com presença de eguns, pode-se iniciar usando um primeiro defumador somente com saco-saco, ou na falta deste com palha-de-cana ou de bambu. Estes elementos são recomendados para se defumar dentro de casa, mas deve-se retirar as pessoas antes.
Quando se vai defumar um local onde não moram pessoas ou o terreno de uma casa pode-se usar receitas como a seguinte:
- Palha de alho.
- Palha de cebola.
- Raspa de chifre de boi.
- Noz moscada.
- Assa-fétida.
- Folha de café,
- Grão de café torrado.
A composição dos defumadores é um conhecimento que deve ser desenvolvido aprendido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário